31 de maio de 2022

Fechamento de Maio + Novidades

Olá!

Vamos para mais um fechamento, mas primeiramente, gostaria de comunicar uma novidade, criei um canal no Youtube para compartilhar os estudos e fechamentos mensais também no formato de video, para galera que prefere ver o filme do que ler o livro! Inscrevam-se! E não deem muita risada 😁 

Está sendo muito gratificante, pelo menos pra mim, revisar as publicações antigas e ver o quanto eu cresci como investidor nestes 3 anos. Agora com o canal, terei que desenvolver outras habilidades, uma muito importante que estou precisando melhorar é a dicção, nos videos que gravei essa semana percebi que nem eu me entendo as vezes, 😭 talvez seja culpa do microfone, mas prometo que vou melhorar!

Também dei umas modificadas no layout aqui do blog, criei uma imagem para o cabeçalho e movi as opções de inscrição em Youtube, Seguidores e Facebook para o rodapé, gostaram? Tentei manter o mais simples possível, como sempre.

Fechamento Mensal

As ações fecharam mais um mês no vermelho, destaque negativo para ações da Weg e da Equatorial, duas ótimas empresas que caíram forte nos últimos dias.

Ações em Maio/2022

No exterior, as coisas também seguem bem negativas, apesar dos meus ETFs terem fechados com rentabilidades próximas de zero, o dólar caiu 5%, que é exatamente o resultado apontado pela planilha.

ETFs no Exterior

Fundos de investimento imobiliários fecharam 0,55% positivos.

FIIs

Criptomoedas, segue tendência de queda, mesmo com a alta nos últimos dias, fechamos com -22% no mês, se não fosse por aquele primeiro trade com BTC ter dado um baita lucro, a rentabilidade destas operações estariam em cerca de 65% negativo, e agora as criptos estão abaixo de 1% da carteira, quase pensando em comprar um pouquinho mais, só pra fechar aqueles 1%, apesar das muitas notícias ruins, parece que o mercado está se desenvolvendo, principalmente nas questões tributárias. 👿

Criptomoedas

Renda Fixa, segue no Nubank, rendendo 100% CDI, deu 0,9% este mês.

Renda fixa

Resultado Consolidado -1,67% no mês.

Resultado final

 

O aporte total foi 2k, seguindo o padrão dos últimos meses, 500 em FII, 500 em ações, e 1k em RF, além de reinvestir os dividendos. As operações foram compra de 15 ações da Grazziotin e 66 cotas de MXRF11.

Ao que tudo indica, este vai ser mais um ano perdendo pra inflação, conforme comentei no post destes dias, tem períodos que a bolsa fica ruim por muitos anos, mas no longo prazo ela sempre sobe, então, apesar da situação complicada, precisamos manter o foco nos aportes e no aumento da renda passiva pra não desanimar.

Meta pessoal de saúde alcançada

Este mês eu atingi uma antiga meta pessoal, correr 10km, eu fiz isso 3 vezes e não senti nenhuma dor fora do normal, só um pouco no joelho, acho que finalmente estou pegando o jeito, pena que está fazendo um frio de renguear cusco nos últimos dias e parei com as atividades.

Pra quem não entendeu 😂

Foco nos Proventos, aumento da Renda Passiva

Este blog/carteira estreou na internet final de abril de 2019, e três anos atrás eu recebia os primeiros proventos da carteira, foram R$ 3,20, agora bati recorde com R$ 255,41, sendo que 44% vieram de ações, 2% Stocks e 54% FIIs. ENBR3 que pagou muito este mês, R$ 72,63.

Proventos em R$

O DY da carteira variou bastante nesse período, o maior foi 1% em agosto de 2019, quando tinha alguns FIIs mais arriscados que pagavam altos proventos. O pior DY foi em setembro de 2021, com 0,19%, final da pandemia?!

Yield da carteira toda

Em 2020 eu deixei a carteira de FIIs mais segura retirando alguns FIIs mono ativo e de agências bancárias que estavam com contratos próximos do vencimento e tinha o risco de não renovar, enfim o Yield da carteira diminuiu bastante, mas foi uma mudança boa.

Yield dos FIIs

Meus proventos hoje já pagariam a conta de água e energia elétrica. A conta de energia elétrica ficou baixa desde que instalei sistema de geração própria, com painéis solares. 😎

Tá ruim mas tá bom!

Olhando meu planejamento inicial, eu deveria ter mais capital investido em renda fixa, tenho 21% nessa classe que era pra ter 50%, até final de 2020 estava conseguindo manter esse percentual, mas na pandemia foi um período de muitas oportunidades e a vontade de aportar mais na renda variável acabou gerando isso aí, e o pior, ou melhor, dependendo do ponto de vista, é que o mercado ainda continua "barato", olhando para indicadores de preço/lucro em diversas empresas, o que me dá vontade de continuar aportando na RV, só que ao mesmo tempo, agora tem algumas coisas que me atraem na RF, como o tesouro direto IPCA+.

Acompanhamento da meta e balanceamento da carteira por classe de ativos

Até o futuro!

25 de maio de 2022

Breve Estudo Maluco com FIIs

Olá!

Olhando minha carteira de FIIs, vi que a maioria deles tem a DATA-COM no final do mês, mas alguns tem dias diferentes, Data-com é a data que você precisa estar comprado para receber os proventos, pensando nisso resolvi fazer um backtest de uma estratégia maluca, talvez mais gente já tentou fazer ou talvez até tenha alguém que realmente faça isso, é muito louco, mas vai saber.

Estratégia Proventos Turbinados X3  😈😈😈

A ideia é muito simples, comprar o FII um pouco antes da DATA-COM e vender logo depois, então comprar outro FII antes da DATA-COM e repetindo o processo. Olhando minha carteira identifiquei 3 FIIs que daria pra fazer isso, RECR11, XPML11 e MXRF11. Poderia ter usado outros pro final do mês, provavelmente teria sido uma sábia decisão, pensando que teve altas tretas com MXRF11 nos últimos meses, mas agora foi e estou com preguiça de refazer tudo, até porque não gostei do resultado.

Sabendo as datas que precisava estar comprado pra receber os proventos, elaborei as seguintes regras para o estudo: 

  • Compra RECR11 no dia 1
  • Vende RECR11 no dia 10
  • Compra XPML11 no dia 10
  • Vende XPML11 no dia 19
  • Compra MXRF11 no dia 19
  • Vende MXRF11 no 1º dia mês seguinte
  • E segue assim pra sempre... 
  • Se der final de semana, vai no dia seguinte.

 Abaixo a imagem da planilha de estudo:

Planilha no Google pra ver as cotações

No meio do estudo me dei conta de alguns detalhes, que coloquei nas observações:

  1. Estudo não considera taxas/emolumentos
  2. Estudo está considerando o dividendo sendo reinvestido imediatamente, mas na verdade o pagamento é feito sempre alguns dias após a data-com, então os volumes negociados na prática provavelmente seriam um pouco menores.
  3. Não considerei pagamento de IR nos meses que deu lucro nas operações.

Por isso, os resultados dos backtestes sempre costumam ser melhores do que quando a gente executa a estratégia na prática... fica o alerta.

Pra verificar os valores dos dividendos recebidos, fui cadastrando as operações uma por uma no site meusdividendos.com, e então atualizando a planilha, ajustando valor máximo da operação seguinte, coisa que depois vi que não devia ter feito porque na verdade o dinheiro demora uma semana pra entrar, aproximadamente, então seria melhor considerar estes proventos para a operação seguinte, e não a do mesmo dia... mas enfim, estudo maluco feito meio as pressas só pra matar minha curiosidade.

 O resultado final foi que as operações, na maioria deram prejuízo, e por isso, o resultado ficou bem fraquinho, confiram do site meusdividendos alguns prints da tela:

Ótimos proventos

Yield ficou maravilhoso 😁

Resultado final, cerca de 10% em um ano, perdeu pra inflação e se incomodou um monte.

O acumulado final, começando com 10 mil, ficou R$ 11.077,25, mas como disse, na prática isso deve ser um pouco menos. Com isso encerro este estudo maluco, acredito que se pegasse um mercado de alta, o sujeito provavelmente teria um resultado excelente, mas nesse período do backtest tivemos a alta da SELIC e da inflação, que fez os FIIs caírem, e taí o resultado.

Caso alguém tenha interesse em verificar minhas fórmulas ou refazer o estudo com mais capricho, ou com outros FIIs, ou com prazo maior, o link da planilha do estudo é: https://docs.google.com/spreadsheets/d/1XAGY_sA_C2oeuGoV9Q8xrPa2QilbAnnVtcyG85d-4uM/edit?usp=sharing

14 de maio de 2022

Breve estudo de FoFs de FIIs

Continuando no assunto do post anterior, depois de revisar minha carteira, conversando com o Neto do Velho Barreiro, resolvi fazer um breve estudo dos Fundos de Fundos, os FoFs no setor imobiliário, pra ver se acho um que me interesse, já que os FoFs andam bem descontados em relação aos seus investimentos, algo parecido com o que acontece com a Itaúsa que geralmente negocia com desconto também.

Começando o estudo olhando as taxas de administração/gestão/escrituração, ordenei a tabela nessa coluna e temos os "mais baratos" da gestora Inter, sendo que eles tem um FII para fundos de papel (ITIP11), que são os FII que investem em CRI principalmente, e tem outro FOF para FIIs de tijolos, o ITIT11. Curiosamente em seguida temos FoFs dos bancões, BB e Bradesco, com taxa de 0,5% e carteiras bem parecidas de investimentos, eu pensava que estes teriam altas taxas, mas entre os bancões só a CEF que fez justiça a fama de ser caro. E o mais caro é o da BTG, BCFF11 com 1,55% de taxas somadas.

Ordenando da menor para a maior taxa
 

Ordenando pelos cotistas, BCFF11 é o campeão disparado. Esse FoF é um dos mais antigos, senão o mais antigo da lista, existe desde 2009.

Número de cotistas

Olhando a liquidez, logicamente o que tem mais cotistas ficou com a melhor liquidez também, a ordem dos FoFs quase não mudou aqui.

Liquidez, volume negociado

Preço sobre o Valor patrimonial, dados do site Fundamentus devem estar bem próximos do real. Todos os fundos com preço abaixo do seu valor patrimonial, principalmente os que tem mais FIIs de tijolos.

P/VP (clique pra ampliar)

Uma das coisas interessantes de observar olhando as maiores posições, é que as gestoras compram seus próprios FIIs na maioria dos FOFS. Exemplo a Hedge (HFOF) tem 3 primeiras posições com seus próprios FIIs, Suno tem SNCI11 na primeira posição, RBRF11 tem o RBRL11 na primeira posição e assim por diante.

Outra coisa que percebi é que minha carteira de FIIs atual tem muitos dessas principais posições dos FOFs, acho que isso é uma coisa boa. 

Alguns FoFs focam em ativos destinados a investidores qualificados, coisas que normalmente nós não temos acesso, como por exemplo o BCFF11 tem algumas coisas que eu nunca tinha visto, como EZTB, REPE, alguém conhece? Não sei dizer se isso é uma coisa boa ou não, já que não tenho conhecimento nem informações acerca deles pra avaliar corretamente, então é um motivo pra eu não comprar esse FOF.

Se eu fosse pra escolher um dessa lista, acho que o que mais me agradou foi o ITIT11, pela baixa taxa e pela metodologia pra montar a carteira, que segue um índice. Particularmente penso que uma metodologia bem definida não deixa margem pro emocional e deve dar resultado melhor, além de evitar que a gestora de preferência pelos próprios FIIs ganhando taxas 2x.

Pra concluir, fiquei com uma dúvida, considerando que muitos FIIs já estão com P/VP abaixo de 1, e os FOFs também estão, me parece que isso dá um duplo desconto? Se for isso mesmo, aí fica interessante.

Update: Depois de ler o comentário e o post do Neto, trouxe aqui algumas capturas dos relatórios gerenciais dos FoFs onde demonstram o duplo desconto em relação ao valor patrimonial.

KFOF11 - Abril de 2022

XPSF11 - Abril de 2022

Então, segundo as próprias gestoras, FOF seria uma oportunidade de comprar com um belo desconto.

Até o futuro!

13 de maio de 2022

Revisando a carteira de FIIs

Olá a todos!

Após refletir um pouco sobre meu desempenho nos investimentos, resolvi que é hora de revisar a minha carteira, uma das coisas que percebi nessa revisão foi na parte dos fundos de investimento imobiliários, olhando os rendimentos e taxas, vi que há uma certa correlação entre FIIs que cobram altas taxas de gestão/administração com a baixa rentabilidade, no quesito DY pelo menos, conforme imagem abaixo.

Minha carteira de FIIs. Dados da planilha disponibilizada pelo Canal do Holder

KNRI11 e HGBS11 tem as maiores taxas de administração e os menores Dividend Yield da minha carteira, será coincidência?!. Os dois sofreram com a pandemia, o que justifica esse baixo provento, mas poderiam ter reduzido as taxas de administração já que o rendimento está ruim. GGRC11 apesar da taxa alta ainda consegue distribuir bons proventos. BRCR11 é uma desgraça, se olhar a cotação só cai, então esse tem que ficar na lista negra mesmo, antigamente eu pensava que era oportunidade quando um FII ficava caindo muito tempo, e por isso, usando a planilha de balanceamento, acaba comprando sempre mais... mas atualmente eu acho que esse FII tem problemas sérios e talvez nunca volte a subir.

Devido a isso, zerei a nota desses FIIs na minha planilha de balanceamento da carteira, ainda estou pensando se vendo esses FIIs e aporto nos melhores, ou simplesmente deixo eles quieto ali na carteira sem novos aportes, porque apesar do baixo rendimento, os imóveis são bons e estão com desconto se olhar o P/VP. Também olhando o relatório gerencial, alguns FIIs estão lentamente subindo os proventos, outros com lucros acumulados/não distribuídos, então quem sabe até o final do ano essa situação melhore.

Planilha de Balanceamento da Carteira

Essa é a segunda vez que estou revisando a minha carteira de FIIs, na primeira vez eu acabei tirando da carteira o XPCM11, SAAG11 e BBPO11, o BBPO11 está ruim mas nem tanto quanto eu imaginava que ficaria, SAAG teve fusão virou RBVA11... e XPCM11, segue vago com 80% de queda, então minha decisão foi boa na época.

E aí, o que vocês acham desses FIIs que zerei a nota? Manter ou vender?

Até o futuro!

11 de maio de 2022

Estratégias, Psicologia, Rentabilidade

E aí meus queridos 16 leitores! Todos bem? 😀

Conversando com um amigo sobre investimentos, que está começando agora e decidiu ser "trader", eu disse para ele que não vale a pena ser trader, 99% deles perdem dinheiro, a história dos homens mortos não contam história e tal, mas olhando alguns gráficos da cotação de algumas empresas, e do próprio IBOV, as vezes tenho que concordar com os grafistas, de que investir com foco no curto prazo é uma alternativa interessante para o nosso Brasil, visto que ficamos patinando no lugar por muitos anos, famosos voos de galinha.


 

Fiquei imaginando se eu teria aguentado na estratégia Buy and Hold, comprando ETF BOVA11, por exemplo, durante 10 anos e tendo rentabilidade negativa durante uns 6 anos seguidos, 2010 até 2016, difícil né?! Claro que se tivesse conseguido, a partir de 2016 a valorização teria sido muito satisfatória, mas então, vem o COVID e derruba tudo para o mesmo preço de 10 anos atrás. 

Imagina a tristeza desse investidor hipotético ao ver que depois de 10 anos a rentabilidade foi zero... claro que a recuperação nesses casos de crise sempre são rápidas, quase tão rápidas quanto a queda, exemplos anos de 2008/2009 e 2020, mas o psicológico deve ter abalado.

O que me preocupa agora é se nos próximos anos o Brasil vai passar por um período semelhante ao que passou entre 2010 e 2016, onde após a rápida recuperação depois de uma crise, o mercado ficou caindo lentamente esperando a recuperação da economia acontecer de fato. Ainda mais com a dificuldade do governo conter a inflação, com medidas populistas visando a reeleição, e as polêmicas que ainda devem surgir agora que começam as campanhas eleitorais, provavelmente muita CPI vai rolar.

Esse post vai contra o que tenho escrito aqui no blog até o momento, de seguir a mesma estratégia por muitos e muitos anos, focando no LONGO PRAZO... mas acho interessante refletirmos um pouco mais sobre isso.

Historicamente, no longo prazo a bolsa sempre sobe, mas as vezes, o prazo para vermos os resultados é muito longo e o psicológico do investidor sofre muito, e esse é um dos motivos que precisamos diversificar os investimentos por classes de ativos, ter renda fixa e quem sabe diversificar em diferentes estratégias de investimentos também?

Algumas ideias diferentes que me vem a cabeça agora são aquelas carteiras anuais, do tipo "Dogs  of the Dow" e a fórmula mágica do Joel Greenblatt, também os robôs que montam sua carteira por objetivos como o Warren, além de estratégias quantitativas com estudos estatísticos do mercado, que foi onde eu comecei conhecer sobre os investimentos 14 anos atrás, mas será que vale a pena mudar de estratégia no meio do caminho? Só com uma bola de cristal pra responder.

Pensando um pouco mais sobre esse assunto, a diversidade de estratégias, a dificuldade de escolher uma, dúvidas do meio do percurso, acho que isso explica a grande quantidade de blogs da finansfera que são abandonados após poucos anos. 

No fim, controlar as emoções e o psicológico me parece ser o mais difícil, e o mais importante.

Após 3 anos desta carteira de investimento, eu estou com a rentabilidade histórica de 0,25%, mas sigo aportando acreditando que meu prazo para o resgate ainda é longo o suficiente para que as sementes virem árvores, e as árvores deem frutos, com um pouco de sorte, espero que em breve consiga uma rentabilidade histórica superior a inflação, ainda mais porque em teoria isso é fácil, bastaria comprar TD IPCA+...e desconsiderar a marcação a mercado né :)

Até o momento tenho conseguido atingir minhas metas através de aportes crescentes, então não estou muito preocupado, mas já começo a pensar em alternativas para buscar melhores resultados no futuro.

Abraços!

Postagens em alta